Hub Cultural > Pesquisas em Cultura e Entretenimento > Análise Pesquisa Viver em São Paulo: Cultura na Cidade

A pesquisa “Viver em São Paulo: Cultura na Cidade”, realizada pela Rede Nossa São Paulo em parceria com o Ibope Inteligência, revela os hábitos culturais de paulistanos e paulistanas.

Frequência nas atividades culturais da cidade

Segundo a pesquisa, o cinema é a atividade que a população mais frequentou nos últimos 12 meses, com 55% de respostas afirmativas. Em segundo lugar, 34% dos paulistanos e paulistanas afirmam que frequentaram festas populares e de rua, e em terceiro lugar, em patamares muito próximos, estão shows (30%), feiras de artesanato (29%) e centros culturais (27%).

Com números muito próximos, as outras atividades mais frequentadas são bibliotecas (20%), museus (19%) e teatro (19%). Já as atividades como espetáculos de dança e concertos estão em níveis mais baixos de frequência, com 8% e 7% respectivamente. Já saraus e slams são frequentados por 5%.

Chama a atenção o fato de 28% dos entrevistados e entrevistadas afirmarem que não frequentaram nenhuma das atividades listadas na pesquisa no último ano, o que representa cerca de 2,7 milhões de pessoas. E quando analisamos esse grupo, observamos que o perfil de quem não frequenta atividades culturais em São Paulo é caracterizado por pessoas mais velhas, menos escolarizadas, com renda familiar de menos de dois salários mínimos, pretos e pardos, da classe C e da região Leste da cidade.

Frequentaria mais as atividades culturais

Sobre os elementos que fariam com que as pessoas frequentassem mais as atividades culturais, a resposta para 42% dos entrevistados e entrevistadas é o preço ser mais acessível. Já a proximidade de casa das atividades culturais é vista como o principal estímulo para 25%. E num patamar inferior, a facilidade de acesso e locomoção é a principal resposta para 12%. Enquanto a diversidade da programação e a flexibilidade de horários é o principal elemento que estimularia a frequência nas atividades culturais para 7% e 6% das pessoas, respectivamente.

A proximidade de casa das atividades culturais é o elemento que mais cresceu quando comparamos os resultados da pesquisa do ano passado, subindo de 20% para 25%. O que pode ser entendido pelo aumento da tarifa dos ônibus municipais, o corte de linhas e as mudanças no Bilhete Único, fazendo com que essa demanda aumente.

Eventos públicos gratuitos

A pesquisa também perguntou qual o grau de frequência da população com relação aos eventos públicos gratuitos promovidos pela Prefeitura, como a Virada Cultural, festas, shows e etc., e o resultado mostra bastante adesão da população, pois 78% afirmam frequentar esses eventos, contra 22% que não frequentam.

Sobre os motivos para frequentar essas atividades, 34% afirma que é por conta da gratuidade, 24% porque é divertido e 17% porque é uma oportunidade de utilizar os espaços públicos da cidade. Já o grupo que respondeu não frequentar esses eventos, as principais razões são a segurança (57%), não gostar de multidão (51%) e distância (21%).

Hábitos de leitura

O estudo também revela os hábitos de leitura da população paulistana. 38% dos entrevistados e entrevistadas disseram que leram pelo menos um livro inteiro nos últimos 3 meses e 20% afirmaram ter lido em partes, no mesmo período. No entanto, 42% disseram não ter lido nenhum livro dos últimos 3 meses – o que representa cerca de 4,1 milhões de paulistanos e paulistanas.

O grupo de pessoas que afirmaram ter lido um livro inteiro nos últimos 3 meses é caracterizado por ser, em sua maioria, composto por mulheres, com Ensino Superior, das classes A e B, mais jovens (49% têm entre 25 e 34 anos; e 43% entre 16 e 24 anos), com renda familiar acima de 5 salários mínimos, brancas e da região Oeste.

Já para o grupo que afirma não ter lido nenhum livro nesse período, os principais motivos são não gostar de ler ou não ter o hábito de leitura (34%). Enquanto a falta de tempo é o principal motivo para 32% e a preferência por outras atividades para 14%.

Conclusões

  • A pesquisa revela que existe uma grande demanda na cidade por atividades culturais, e que o cinema é a atividade preferida da população paulistana. No entanto, quase um terço de munícipes não frequenta nenhuma atividade cultural, sendo este grupo composto por pessoas mais velhas, mais pobres, menos escolarizadas e autodeclaradas pretas e pardas;
  • Como alternativas para estimular a população a frequentar essas atividades, a pesquisa mostra que reduzir os preços e descentralizar as atividades culturais são o melhor caminho, ou, pelo menos, os que teriam maior impacto para a população passar a ir mais a atividades culturais;
  • Com relação aos eventos públicos gratuitos, a pesquisa demonstra que a gratuidade é o principal fator que estimula as pessoas a frequentarem essas atividades, mas a segurança e o medo de multidões é o que mais afasta quem não frequenta;
  • O número de pessoas que não leram nenhum livro nos últimos 3 meses é maior do que o grupo que leu um livro inteiro no mesmo período. E a pesquisa mostra que não gostar de ler, não ter o hábito de leitura e a falta de tempo são os motivos que mais impactam nesses dados.

Crédito: Site Rede Nossa São Paulo

Fonte: Texto original aqui

Compartilhe